REANIMAMAÇÃO CARDIO PULMONAR - RCP (Padrão 2010)

13:15:00

PARADA 
CARDIORRESPIRATÓRIA 
O Que É ? 
Cessação repentina dos batimentos cardíacos e dos 
movimentos respiratórios. 
Sinais - Parada Cardiorrespiratória 
Inconsciência; 
Ausência de batimentos cardíacos (ausência de pulso 
em grandes artérias – femoral e carótidas); 
Ausência de movimentos respiratórios. 

REANIMAÇÃO CARDIOPULMONAR 
O Que É ? 
Conjunto de procedimentos utilizados na vítima de 
parada cardiorrespiratória, na tentativa de restabelecer a 
ventilação pulmonar e a circulação sanguínea. 

Atendimento À Parada Cardiorrespiratória 
‘’Cadeia de sobrevivência’’ 

Corrente da Sobrevivência 
CONSTITUÍDA POR CINCO ELOS: 
1º ELO 
Acesso precoce ao sistema de emergência. 
‘’DESACORDADO NÃO RESPIRA’’ - PEDIR AJUDA 
2º ELO 
Inicio precoce das manobras de reanimação. 
Reanimação Cárdio Pulmonar- MASSAGEM CARDÍACA 
EXTERNA 

Corrente da Sobrevivência 
CONSTITUÍDA POR CINCO ELOS: 
3º ELO 
Desfibrilação precoce. 
4º ELO 
Início precoce do tratamento definitivo. 
Suporte avançado de vida : UTI - ADMINISTRAÇÃO DE 
MEDICAMENTOS E TÉCNICAS ESPECIALIZADAS. 
5º ELO 
Cuidados pós PCR integrados. 

Sequencia Do Atendimento 
C - CIRCULAÇÃO 
A - VIAS AÉREAS 
B - RESPIRAÇÃO 
D - DESFIBRILAÇÃO 

C - COMPRESSÕES TORÁCICAS 
As compressões torácicas fornecem fluxo sanguíneo 
vital ao coração e ao cérebro. 
I. LOCAL 
II. FREQUÊNCIA 
III. PROFUNDIDADE 

C - LOCAL DE COMPRESSÃO TORÁCICA 
MEIO DO PEITO – LINHA MAMILAR - ESTERNO 

C - COMPRESSÃO TORÁCICA 
(A) Ajoelhar-se, manter os cotovelos esticados; 
(B) 2. Palma da mão entre os mamilos – 
meio do osso esterno; 
(C) 3. Segunda mão sobre a primeira. 

C - COMPRESSÃO TORÁCICA 

A frequência de compressão deve ser no mínimo, de 
100/minuto ou aproximadamente 18 segundos. 
Realizar um ciclo de 30 compressões pra 2 respirações. 

A compressão deve der de 5 cm, forte e rápida, permitindo a 
volta completa da parede torácica. 

CASOS ESPECIAIS 

Em casos de afogamento, a prioridade é aplicar compressões 
torácicas com ventilação de resgate por cerca de 5 ciclos 
(aproximadamente 2 minutos) antes de acionar o serviço de 
urgência. 

A – VIAS AÉREAS 
Liberação das vias aéreas. 
Elevação modificada da mandíbula (trauma). 
Inclinar a cabeça e elevar o queixo (clinico). 

CHIN-LIFT 

A – VIAS AÉREAS 

Inclinação da cabeça e elevação do queixo manobra de chinlift. O principio básico que todo paciente inconsciente e nãoresponsivo possui uma ou mais via aérea obstruída, justifica 
a imediata aplicação da manobra de chin-lift. Toda parada 
cardio-respiratória, ocorre flacidez muscular, que da origem a 
queda da base da língua 

JAW TRUST 

A – VIAS AÉREAS 

Se tiver suspeita de lesão da coluna cervical, não fazer esta 
manobra (chin-lift). Realizar a manobra de tração da 
mandíbula jaw trust. É uma alternativa que geralmente 
normaliza a posição da base da língua permitindo o fluxo de 
ar pelas vias aérea. 

B - RESPIRAÇÃO 
RESPIRAÇÃO ARTIFICIAL 

I. Vias aéreas liberadas; 
II. Pinçar nariz completamente; 
III. Inspirar; 
IV. Soprar 2 vezes 

B - RESPIRAÇÃO 

B - RESPIRAÇÃO 
Ausência de movimentos respiratórios. 

Boca a boca; 
2º opção: boca – nariz. 
A duração da ventilação deve ter duração de 1 segundo. 
Eficiência – elevação do tórax na insuflação/inspiração. 

10-12 insuflações por minuto. 

D – DESFIBRILAÇÃO 

Instalar o DEA (desfibrilador externo automático) à vítima 
assim que ele estiver disponível no local. 
Reiniciar a RCP com compressões imediatamente após cada 
choque. 

Lembrar! 
Avaliar o pulso a cada 5 ciclos ou 2 minutos. 

1 ciclo consiste em 30 compressões e 2 respirações – 30:2. 

RCP EM CRIANÇAS 
PRINCIPAIS CAUSAS DE MORTE 
1. TRAUMA > 1 ANO 
2. INSUFIÊNCIA RESPIRATÓRIA < 1 ANO 
I. 
II. 
III. 
IV. 

Síndrome da morte súbita; 
Obstrução de vias aéreas; 
Afogamento; 
Doenças respiratórias. 

Inicie a RCP com 30 compressões, (socorrista atuando 
sozinho) ou 15 compressões (para a ressuscitação de 
bebês e crianças por dois profissionais de saúde). 
Crianças abaixo de 1 ano dois dedos abaixo da linha 
mamilar, crianças de 1 a 8 anos a compressão é feita 
na linha do esterno com uma ou duas mãos. 
Compressões torácicas: 1½ polegada (cerca de 4 cm) na 
maioria dos bebês e cerca de 2 polegadas (5 cm) na 
maioria das crianças. 

VIAS AÉREAS 
Inclinar a cabeça levemente para trás - uso de coxim na região 
escapular < 1 ano. 
Inspire normalmente boca a boca – nariz < 1ano. 
Boca a boca 1 a 8 anos - 2 respirações. 
Observe tórax. 

D - DESFIBRILAÇÃO 
Para bebês, prefira o uso de um desfibrilador manual a um 
DEA/DAE para desfibrilação. Se não houver um 
desfibrilador manual disponível, prefira um DEA/DAE 
equipado com um atenuador de carga pediátrico. Se nenhum 
dos dois estiver disponível, use um DEA/DAE sem atenuador 
de carga pediátrico. 

Artigos relacionados

Populares do mês